Casa do Julgamento – Overdose

Tem sido uma marca na vida de nossa igreja o projeto “Casa do Julgamento”. Dessa vez, a temática abordou o combate às drogas, com a Peça Overdose. Um trabalho de fôlego, relevante não só para a igreja local, bem como para a nossa sociedade. Diga-se de passagem, que a iniciativa foi muito elogiada pelas autoridades locais, já que as drogas não escolhem classe social, etnia, gênero ou religião; elas fazem vítimas, sem piedade.

Segundo as estatísticas, a indústria da droga movimenta 400 bilhões por ano, e estima-se que existam 1243 milhões de usuários de drogas no mundo. A Organização Mundial de Saúde (OMS), considera droga toda substância entorpecente, também chamada narcótico, não produzida pelo organismo humano, que ao ser introduzida no organismo vivo, provoca nele uma ou mais modificações.

Outro dado interessante, é que Segundo o Centro Brasileiro de Informações sobre Drogas, 20% das crianças das escolas públicas entre 8 – 15 anos já experimentaram algum tipo de droga e 90% dos chamados “meninos de rua” usam drogas.

E diante desse desafio, a PIBSJM, com os seus quase 450 voluntários de todas as idades, apresenta a solução, por meio da Casa do Julgamento: Jesus Cristo, a verdade que liberta. Para que você tenha uma ideia, ainda que em números parciais, até o momento: 173 pessoas aceitaram a Jesus como Senhor e Salvador; 109 crentes afastados se reconciliaram; e, aproximadamente, uma tonelada e seiscentos quilos de alimentos não perecíveis foram doados e destinados a casas de recuperação. Mas, o que falar da comunhão vivida durante esses dias, da alegria do povo servindo ao Senhor e da sinergia da igreja! Sentiremos saudades!

Diante de todas essas maravilhas, o meu coração está alegre e exultando ao Senhor. Portanto, meu reconhecimento a todos que se envolveram, direta ou indiretamente, nesse projeto. Meu reconhecimento a você, que acreditou, que vestiu a camisa e, sobretudo, se dedicou desde o primeiro ensaio até o encerramento do Projeto. Louvo a Deus por sua vida!

Mas, não poderia deixar de mencionar o meu reconhecimento a nossa Ministra de Missões e Evangelismo, que apresentou a ideia, planejou, supervisionou, e trabalhou incansavelmente nesses dias.

Por fim, toda honra e toda a glória sejam dadas ao Senhor.

Com Carinho,

Pastor Claudio José Farias de Souza